10 dicas para aumentar sua produtividade no laboratório

Não é nenhuma novidade que todos nós, cientistas, queremos (e tentamos) ser mais produtivos. Muitas vezes, isso se traduz em ficar no laboratório até mais tarde ou em tomar uma quantidade de café um pouco acima do aceitável durante o dia. Apesar de muitos utilizarem esses artifícios, isso não significa que estão cumprindo o objetivo, pois trabalhar mais e por mais tempo não significa trabalhar de maneira mais inteligente.

As pessoas erroneamente assumem que ser produtivo é ter uma maior quantidade de coisas feitas durante o dia. No entanto, produtividade nada mais é do que a medida da eficiência que um indivíduo tem ao realizar uma tarefa. É estar fazendo as coisas que têm que ser feitas, de forma consistente. Em laboratório é comum passarmos por situações que interferem negativamente na nossa produtividade e, para te ajudar a acabar com elas, separamos algumas dicas. Confira!

“Vamos ao trabalho!”
1. Planeje seu dia com antecedência

Essa dica pode parecer óbvia, mas existe uma grande diferença entre saber o que você vai fazer e ter todos os reagentes preparados e equipamentos prontos (e reservados) para um experimento. Quem já esteve no meio de um experimento e percebeu que a alíquota daquele reagente essencial acabou sabe do que estou falando. E quando a caixa de ponteiras fica vazia e não tem mais nenhuma cheia por perto ou quando o equipamento que você planejou usar não está mais funcionando e você só descobre em cima da hora?

“Hora de planejar!”

Isso é resultado da falta de planejamento. Situações como essas nos fazem perder dias inteiros de experimento e até semanas! Então, é regra padrão para todo cientista: antes de começar qualquer atividade, principalmente experimentos, planeje-se! Prepare todos os reagentes e tampões com antecedência (sempre em uma quantidade a mais do que a que você pretende usar); cheque se os equipamentos necessários estarão disponíveis para uso (reserve-os, se possível) e refaça o protocolo mentalmente, para garantir que nenhuma etapa esteja faltando. Esses pequenos detalhes te farão economizar tempo e dinheiro.

2.  Tenha objetivos palpáveis e mantenha o foco

É muito comum alunos e pesquisadores tentarem abraçar o mundo, mas já dizia o ditado popular que “quem tenta abraçar o mundo não abraça ninguém”. Começar o dia com um experimento e terminá-lo com outro pode não ser uma boa ideia, portanto não acumule tantas atividades! É bem capaz que você consiga terminá-las dentro do prazo, mas será que estará dando o seu melhor? Pesquisa científica não pode ser feita de qualquer maneira: é necessário ter empenho, foco e dedicação para obter bons resultados.

Não somente no dia a dia do laboratório, mas foco e dedicação são chaves para o sucesso em qualquer atividade que você venha a desempenhar.

Da mesma maneira, não pegue tão leve consigo mesmo. É bastante insatisfatório quando não se consegue terminar o dia de trabalho sem ter terminado todas as atividades planejadas. O importante é que você conheça seus limites, defina as a quantidade de atividades que é capaz de realizar da melhor maneira possível e foque nelas.

3. Descubra qual é seu perfil de trabalho

No ambiente de laboratório, para ser mais produtivo, é fundamental que você conheça o seu perfil de trabalho. Existe o profissional que está constantemente em contato com outras pessoas, e existe aquele que prefere estar só. Alguns encontram nas primeiras horas do dia seu melhor horário de produtividade, enquanto outros atingem seu pico somente no fim do dia, depois que todos já foram embora. Uns só conseguem realizar uma tarefa por vez, enquanto os “multitarefas” gostariam que seus smartphones comportassem mais de dez janelas abertas ao mesmo tempo…

Pensando nisso, o Profissão Biotec separou uma lista de ferramentas e uma série de vídeos que podem contribuir com seu processo de autoconhecimento. Vale a pena conferir!

4. Observe como você gasta as horas do seu dia

É comum passar o dia no laboratório e esquecer de ir ao banheiro, beber água ou de fazer um lanche. No final do expediente, paira a pergunta no ar: “Onde foram parar as horas do meu dia?”. Atrelado a ela, o desejo de que o dia tivesse mais algumas horas. Para saber o que aconteceu com o seu tempo, registre-o! Tome conhecimento de como você gasta a maior parte do seu dia. Você subestima o tempo de realização de uma tarefa ou é facilmente distraído ao ajudar os outros, bater papo ou ler e-mails? Observar como você gasta seu tempo te ajudará a alocar melhor as atividades durante o dia. Existem alguns aplicativos que podem te ajudar nessa organização.

Observar como você gasta as horas do seu dia te ajuda a administrar melhor o tempo.
5. Preencha os intervalos

Preencha o tempo entre os experimentos com tarefas úteis, como ler um artigo, em vez de tomar outro cafezinho ou ficar no WhatsApp… O que você costuma fazer durante as duas horas e meia de PCR ou o período de incubação do ELISA? Algumas boas ideias são: organizar o ambiente de trabalho, checar a necessidade de preparo de novos reagentes, organizar caderno de laboratório… Você só não pode se envolver com outra atividade a ponto de esquecer o experimento inicial, portanto evite tarefas que possam quebrar seu foco, como novos experimentos.

Preencher os intervalos com atividades úteis otimiza o tempo e nos ajuda a ser mais produtivos
6. Seja organizado

Com o ritmo acelerado de pesquisa, as habilidades de planejamento e de organização estão se tornando cada vez mais importantes. Manter os dados e os resultados organizados ajuda a evitar trabalhos desnecessários mais tarde. Seguem dicas para melhor organização no laboratório:

  • Tenha sempre zelo por seu caderno de laboratório, pois ele é a base de registros de um pesquisador e a garantia de que nenhum detalhe experimental seja perdido. É importante registrar nele todos os experimentos à medida que são realizados.
  • Utilize formulários padronizados para experimentos de rotina, nos quais procedimentos básicos são sempre repetidos: isso agiliza o trabalho e facilita o resgate de dados.
  • Catalogue suas amostras e soluções com informações sobre concentração, data de preparo e validade, para evitar perda de tempo (e de amostras).
  • Escreva relatórios mensais para si mesmo, detalhando todos os dados experimentais gerados naquele mês, suas conclusões, pensamentos e direções futuras que te ajudarão a longo prazo.

7. Não adie atividades

Por que é comum adiarmos uma atividade, já que ela pode ser feita hoje? Aparentemente porque é inerente ao ser humano estar sempre em momentos de gratificação com o mínimo de perturbação. Essa é a lei do procrastinador: não se incomodar em realizar atividades que nos tira da nossa zona de conforto. É por isso que as atividades mais legais estão sempre no topo da lista.

Contudo, uma hora a conta chega e os prazos vão se encurtando. A dissertação tem que ser entregue aos revisores em um mês e você ainda não terminou alguns experimentos… A vida do cientista já é cheia de pressões, então é crucial que evitemos esse tipo estresse. Então conheça suas prioridades, use sempre um calendário e tenha sempre uma lista de tarefas.

Procrastinar não faz parte da vida em laboratório! (ou, pelo menos, não deveria…)
8. Encontre um lugar adequado para leitura

Não importa a sua área de pesquisa, manter-se atualizado com a literatura é vital, por isso encontre um local onde você possa ler com eficácia – seja na biblioteca, em um café ou até nos jardins do campus universitário. Onde quer que esteja, minimize distrações, como telefones, Facebook e e-mail! Além disso, colegas e supervisores que pedem pequenos favores ou param para conversar interferem nesse momento.

Uma hora fora do local de trabalho, enquanto se concentra, é muito mais produtiva do que três horas no escritório com interrupções.
9. Comece agora!!

Nunca é muito cedo para começar a escrever sua dissertação ou tese, e tudo o que você produzir agora só irá ajudá-lo futuramente. Organize documentos em seu computador, onde você possa escrever pensamentos e ideias durante momentos de inspiração. Uma dica interessante é estabelecer uma meta de escrita diária de 50-100 palavras; quando você menos imaginar, terá um belo texto adiantado.

“Se você começar agora, verá resultados um dia antes do que se estivesse começado amanhã”
10. Viva!

É difícil fazer pesquisa e manter uma vida social, mas isso é importante e contribui com a produtividade no trabalho. Passe algumas horas da sua semana longe do seu projeto, fazendo algo divertido: praticar um hobby, sair com amigos ou ir à academia! Qualquer coisa para se divertir. Essas atividades alimentam e refrescam a mente e são uma grande saída quando você está passando por momentos complicados no laboratório.

“Atividade para casa do final de semana: Se divertir!”
Dicas de leitura: 15 Habits That Will Totally Transform Your Productivity, Procrastination: A Scientific Guide on How to Stop Procrastinating.

Referências

The New York Times. How to Make the Most of Your Workday. Disponível em: https://www.nytimes.com/guides/business/how-to-improve-your-productivity-at-work. Acesso em: 05/12/2017.

Kathy Barker. Na bancada – Manual de Iniciação Científica em Laboratórios de Pesquisas Biomédicas. Artmed, 2002.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *