Pesquisadores originam primeiras células-tronco utilizando CRISPR

Em um estudo realizado por pesquisadores do Gladstone Institutes, células da pele de camundongos foram transformadas em células-tronco a partir da ativação de um gene específico nas células usando a tecnologia CRISPR. A abordagem inovadora oferece uma técnica potencialmente mais simples para originar esse tipo de célula valiosa e fornece informações importantes sobre o processo de reprogramação celular.

Segundo o autor Sheng Ding, PhD, pesquisador do Gladstone “Esta é uma nova maneira de criar células-tronco pluripotentes induzidas que é fundamentalmente diferente da forma como elas foram criadas anteriormente”. “No início do estudo, não pensamos que isso funcionaria, mas queríamos pelo menos tentar responder a pergunta: você pode reprogramar uma célula simplesmente desbloqueando uma localização específica do genoma? E a resposta é sim “.

As células-tronco pluripotentes podem ser transformadas em praticamente qualquer tipo de célula no corpo. Como resultado, eles são um recurso terapêutico chave para condições atualmente incuráveis, como insuficiência cardíaca, doença de Parkinson e cegueira. Eles também fornecem excelentes modelos para estudar doenças e ferramentas importantes para testar novos medicamentos em células humanas.

Em 2006, Shinya Yamanaka, MD, PhD, também pesquisador no Gladstone, descobriu que poderia originar células-tronco pluripotentes induzidas (iPSCs) – pelo tratamento de células comuns da pele com quatro proteínas-chave. Essas proteínas (fatores de transcrição) funcionam alterando quais genes são expressos na célula, desligando genes associados às células da pele e ativando os genes associados às células-tronco.

Com base nesse trabalho, o Ding e outros cientistas criaram iPSCs anteriormente não com fatores de transcrição, mas adicionando um coquetel de produtos químicos às células. O último estudo, publicado em Cell Stem Cell, oferece uma terceira maneira de transformar as células da pele em células-tronco manipulando diretamente o genoma das células utilizando a técnica CRISPR.

“Nossa abordagem poderia levar a um método mais simples de criar iPSCs ou poderia ser usado para reprogramar diretamente as células da pele em outros tipos de células, como células cardíacas ou células cerebrais”, disse Ding.

A equipe do Ding tiveram como alvos dois genes que são expressos apenas em células-tronco e são conhecidos como necessários para pluripotência: Sox2 e Oct4. Como fatores de transcrição, esses genes ativam outros genes de células-tronco e “desligam” aqueles associados a diferentes tipos de células.

Os pesquisadores descobriram que com CRISPR, eles poderiam ativar Sox2 ou Oct4 para reprogramar células. Na verdade, eles mostraram que ter um único local no genoma como alvo foi suficiente para desencadear a reação em cadeia natural que levou à reprogramação da célula em um iPSC.

Muito interessante essa pesquisa e nova possibilidade, não?!

Saiba mais lendo a notícia na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *