A biotecnologia nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU

Já ouviu falar nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU)? A organização firmou, em 2015, um plano de ação com o intuito ousado de erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade.

Essa é a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável! Ela contém o conjunto de 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), sendo que cada um possui metas próprias, que são indicadores mais claros do que deve ser feito para que o objetivo seja atingido.

Segundo o próprio site da Agenda 2030,

“A Agenda 2030 e os ODS afirmam que para por o mundo em um caminho sustentável é urgentemente necessário tomar medidas ousadas e transformadoras. Os ODS constituem uma ambiciosa lista de tarefas para todas as pessoas, em todas as partes, a serem cumpridas até 2030.”

Foco em “…todas as pessoas, em todas as partes…”! Nós, biotecnologistas, estamos trabalhando com foco no desenvolvimento sustentável? Ou, então, será que ao menos conhecemos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável?

Conhecer os ODS e se situar em meio a eles é importante, pois assim você se sente parte do todo, ou seja, sente que de fato está trabalhando para contribuir com um propósito maior. E, assim como você, incontáveis pessoas ao redor do mundo também estão trabalhando nisso. É um trabalho de formiguinha, de fato, mas tenha certeza de que essas “microrrevoluções” somadas são capazes de criar uma revolução realmente impactante!

Do total de 17 objetivos, você irá conhecer neste texto os ODS que mais se correlacionam com a biotecnologia, por meio das metas desses ODS, e poderá encontrar o seu papel como biotecnologista nessa grande ação pelo bem do mundo!

 

2.2 Até 2030, acabar com todas as formas de desnutrição, (…).

2.4 Até 2030, garantir sistemas sustentáveis de produção de alimentos e implementar práticas agrícolas robustas, que aumentem a produtividade e a produção, que ajudem a manter os ecossistemas, que fortaleçam a capacidade de adaptação às mudanças do clima, às condições meteorológicas extremas, secas, inundações e outros desastres, e que melhorem progressivamente a qualidade da terra e do solo.

2.5 Até 2020, manter a diversidade genética de sementes, plantas cultivadas, animais de criação e domesticados e suas respectivas espécies selvagens, inclusive por meio de bancos de sementes e plantas diversificados (…).

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 2?

Pesquisa e desenvolvimento relacionados principalmente com biologia vegetal estão intimamente ligadas a esse ODS. A criação de alimentos geneticamente modificados com maior teor nutritivo já é realidade (2.2), bem como plantas que toleram melhor a seca e as condições adversas do meio ambiente (2.4).

Os estudos de biodiversidade e biologia da conservação também nos permitem entender e manter a biodiversidade genética (2.5), tanto para fins de conservação quanto para fins de bioprospecção de novos produtos.

Leia mais em:

Dia do Agricultor: três avanços recentes na biotecnologia agrícola

Plantas transgênicas: descubra mais sobre elas!

 


3.3 Até 2030, acabar com as epidemias de AIDS, tuberculose, malária e doenças tropicais negligenciadas e combater a hepatite, doenças transmitidas pela água e outras doenças transmissíveis

3.b Apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de vacinas e medicamentos (…).

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 3?

As duas metas estão interligadas: é preciso fazer pesquisa e desenvolvimento de vacinas e de medicamentos para combater as epidemias e demais doenças transmissíveis por diversos meios. A pesquisa básica também é relevante para entender como as doenças funcionam e possibilitar posteriormente o desenvolvimento da pesquisa aplicada.

Leia mais em:

O desafio da vacina da gripe: Uma abordagem molecular

Biotecnologia e CRISPR/Cas9: um novo passo na luta contra a AIDS

 

4.b Até 2020, substancialmente ampliar globalmente o número de bolsas de estudo (…), para o ensino superior, incluindo programas de formação profissional, de tecnologia da informação e da comunicação, programas técnicos, de engenharia e científicos (…).

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 4?

Se não houver bolsas, não há cientistas formados. Especialmente no Brasil, esse é um problema grave, visto o corte expressivo nas verbas para ciência e, consequentemente, no orçamento de agências como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para o financiamento de bolsas. Cortar gasto com ciência é ir contra o ODS 4.

Leia mais:

Prós e contras de fazer mestrado: dicas práticas

Os desafios de se fazer ciência no Brasil

 

6.3 Até 2030, melhorar a qualidade da água, reduzindo a poluição, eliminando despejo e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas e aumentando substancialmente a reciclagem e reutilização segura globalmente

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 6?

A biotecnologia ambiental avançou muito nas últimas décadas, desenvolvendo processos de biorremediação e de economia circular altamente eficientes.

Leia mais:

A Biotecnologia como guia do desenvolvimento sustentável

Microalgas: a busca por uma beleza natural e sustentável

 

7.a Até 2030, reforçar a cooperação internacional para facilitar o acesso a pesquisa e tecnologias de energia limpa, incluindo energias renováveis, eficiência energética e tecnologias de combustíveis fósseis avançadas e mais limpas (…).

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 7?

Relacionando também ao ODS 6, a biotecnologia sustentável foca no desenvolvimento de processos e produtos que gerem menos resíduos e impactem menos o meio ambiente. O olhar não está apenas no produto em si, mas em toda a cadeia.

Leia mais:

4 aplicações de microrganismos na indústria do petróleo que você não conhecia

Yarrowia lipolytica: a fantástica biofábrica de óleos

 

9.5 Fortalecer a pesquisa científica, melhorar as capacidades tecnológicas de setores industriais (…), incentivando a inovação e aumentando substancialmente o número de trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento por milhão de pessoas e os gastos público e privado em pesquisa e desenvolvimento.

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 9?

Falou em inovação, falou em biotecnologia. O país que quiser obter um crescimento econômico significativo, mantendo condições de trabalho decentes, deve investir em biotecnologia. A pesquisa de base é o que alimenta a inovação. No Brasil, o número de startups de biotecnologia tende a crescer, graças à formação de cientistas e à pesquisa básica.

Leia mais:

O que é inovação?

Por que vale a pena preservar a pesquisa em ciência de base?

 


14.a Aumentar o conhecimento científico, desenvolver capacidades de pesquisa e transferir tecnologia marinha, (…).

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 14?

O que uma pessoa normal vê quando vai à praia e olha para o mar? Ondas, água, surfistas… O que um biotecnologista vê quando olha para o mar? Um universo de potencial biotecnológico a ser prospectado.

Leia mais:

Biotecnologia Marinha: Tratamentos revolucionários a um mergulho de distância

Biotecnologia Azul: a revolução que vem do mar!

 

15.6 Garantir uma repartição justa e equitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos e promover o acesso adequado aos recursos genéticos.

O que a biotecnologia tem a ver com o ODS 15?

A vida na terra representa uma biodiversidade imensurável a ser estudada, compreendida e, se possível, aplicada em benefício do ser humano e do ambiente. Técnicas de bioprospecção, sequenciamento e processamento de um volume alto de dados têm ajudado nisso.

Leia mais:

Metagenômica: revelando a biodiversidade invisível

 

17.7 Promover o desenvolvimento, a transferência, a disseminação e a difusão de tecnologias ambientalmente corretas para os países em desenvolvimento, em condições favoráveis, inclusive em condições concessionais e preferenciais, conforme mutuamente acordado.

O que a Biotecnologia tem a ver com o ODS 17?

Desenvolver, transferir e disseminar tecnologias é o grande dever do biotecnologista para os próximos anos, principalmente levando em consideração que essas tecnologias devem ser acessíveis não apenas para países de primeiro mundo, mas sim voltadas para uma ciência universal e mais acessível aos países em desenvolvimento.

 

Depois dessa análise, vemos que 9 dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável podem ser considerados dentro do campo de ação da biotecnologia. E você, está atuando de forma a contribuir com um ou mais desses objetivos e com a sua profissão? De que forma? Conte pra gente nos comentários!

Fontes:

AGENDA 2030. O que é a Agenda 2030? Disponível em: <http://www.agenda2030.com.br/>. Acesso em: 23 nov. 2017.