Carta aberta à alta gestão industrial

Caro(a) gestor(a),

Creio que seja bem incomum que lhe direcionem “cartas abertas” e talvez fizesse muito mais sentido um formal (e previsível) e-mail. Contudo, como almejamos genuinamente amplo alcance destas palavras (que é geralmente obtido quando se usa títulos como esse) escolhemos essa abordagem inusitada. Essa escolha objetiva, propositadamente e de antemão, evidenciar nossa predileção pela inovação. Assim, esperamos contribuir com o desenvolvimento de sua empresa a partir da apresentação de um profissional que pode (e fará) a diferença para o seu negócio: O BIOTECNOLOGISTA.

Não temos a pretensão de propagandear uma imagem de super-heróis (apesar de sermos idealistas e inquietos como eles) nem de impor a necessidade que nos contratem (embora isso represente um benefício), mas de fundamentar solidamente quem somos e o nossa capacidade de ajudá-lo a alavancar seus resultados com competência e comprometimento.

Cabe esclarecer que não queremos tomar seu tempo, então pretendemos ser diretos: “Por que vale a pena nos contratar?” Diante das possíveis respostas, considerando que estas palavras possam cair nas mãos de um(a) gestor(a) tanto com perfil mais voltado à gestão de pessoas quanto mais voltado à gestão de processos, buscaremos explorar uma abordagem que faça sentido à sua expertise e agrade a gregos e troianos.

Quando se fala de contratação, multidisciplinares que somos, sabemos que o recrutamento e seleção por competência é uma metodologia amplamente empregada. Dessa maneira, a fim de oferecer uma percepção instigante e aderente à sua visão de gestor(a) quanto às razões para nos contratar, gostaríamos de usar o princípio dessa metodologia para elucidar o perfil do biotecnologista de forma prática.  

A competência pode ser entendida como conjunto de HABILIDADES, CONHECIMENTOS e ATITUDES na busca de um resultado. Essas podem ser oportunamente subdivididas em dois grupos: competências comportamentais e competências técnicas, comentadas a seguir.

Aqui está o pulo do gato: se você for gestor(a) de pessoas, esperamos que nossas competências comportamentais sejam alinhadas à missão, visão e valores e aderentes à cultura da sua empresa! E, se você for um gestor(a) de processos, torcemos para que nossas competências técnicas saltem aos seus olhos e fundamentem como somos capazes de integrar satisfatoriamente a sua equipe e contribuir na entrega de resultados extraordinários.

A priori, é possível que não faça muito sentido destacar competências comportamentais ao se referir a um grupo de profissionais, certo? Sem dúvida há uma heterogeneidade que de forma alguma deve ser ignorada, mas o Profissão Biotec fez um levantamento (o que por si já denota nossa pró-atividade nas busca por soluções) – que foi sumarizado nesse infográfico – destacando a curiosidade e persistência como principais características de um biotecnologista. Esses, inclusive, foram considerados atributos importantíssimos tanto por grandes cientistas quanto pelo mercado de trabalho.

Já quando se fala de competências técnicas, é imprescindível definir quem nós somos para fundamentar o que fazemos! A biotecnologia pode ser definida como “conjunto de tecnologias que utilizam sistemas biológicos, organismos vivos ou seus derivados para a produção ou modificação de produtos e processos, para uso específico, bem como para gerar NOVOS SERVIÇOS DE ALTO IMPACTO EM DIVERSOS SEGMENTOS INDUSTRIAIS”. Somos a inovação e competitividade encomendada para vocês! Mais detalhes a respeito das áreas que podemos atuar você pode conferir neste texto ou nesse vídeo.

Somos capacitados tecnicamente para o desempenho de diversas atividades por conta de nossa formação multidisciplinar, e para o exercício de nossa função, muitos cursos de biotecnologia estão cadastrados no Conselho Federal de Química, no qual somos enquadrados como profissionais de “Química Tecnológica” cujas atribuições às quais somos regulamentados podem ser conferidas aqui. Contudo, lutando pela consolidação da biotecnologia, tramita um Projeto de Lei na Câmara dos Deputados visando à regulamentação da profissão do biotecnologista e a criação de Conselhos Federais e Regionais de Biotecnologia, no qual constam informações mais detalhadas de nossa atuação! Vale a pena conferir!

É possível que você ainda esteja pensando: “perfil, definições, leis… E daí? Não me convenceu”. Já dizia o velho ditado que “a palavra convence, mas o exemplo arrasta.” Assim, não poderíamos deixar de trazer bons exemplos para comprovar os benefícios que os biotecnologistas tem agregado às companhias que foram contratados em diversas áreas, como é o caso da Jéssica Caldeira de Lima, que já coordenou 2 projetos de elaboração de kits para diagnóstico de doenças, dos quais um já está sendo implementado no mercado. Ou do Lucas Guimarães, que atuou na implementação de 4 biofármacos numa das primeiras flexfactory (produção baseada em equipamentos single use) da América Latina. Ou ainda da Mariana Trovó Marchesin, que foi responsável pela introdução de uma nova técnica no laboratório de biologia molecular onde atua, com a mesma eficácia (boa qualidade dos resultados) e maior eficiência (menor tempo). Fora a Tatiane Godoy Ribeiro, responsável pela realização das análises sensoriais das inovações produzidas na indústria de ingredientes alimentícios que trabalha. Notável que falar em atuação multidisciplinar é falar do biotecnologista!

Possivelmente você nunca tenha trabalhado com um biotecnologista e esteja inseguro(a) se vale a pena ou não correr o risco de nos contratar. Ficou na dúvida? Queremos comprovar que somos um investimento seguro, e se você quiser testar e aproveitar os benefícios que podemos oferecer, basta nos contratar que certamente não se arrependerá!

Até as próximas entrevistas,

Biotecnologistas.